A psicologia como profissão surgiu no início do século XX a partir dos laboratórios de estudos do comportamento humano e do espaço criado entre duas profissões muito antigas: a do médico e a do pastor religioso. Com reconhecida influência da filosofia, já nasceu plural, de acordo com a visão de ser humano que norteava cada teoria. Logo a atuação dos profissionais se expandiu, além da clínica, para escolas e instituições variadas.

No Brasil foi oficialmente reconhecida em 1961, já com um sistema de conselhos profissionais muito atuante. A maior parte do trabalho exercido pelo psicólogo pertence a um campo multidisciplinar. O uso de instrumentos e técnicas de psicodiagnóstico, como os testes psicológicos, é exclusivo do psicólogo.

O campo que classicamente se define como sendo da prática do psicólogo está, na Antroposofia, distribuído por várias atividades profissionais, cuja maioria aceita graduados em outras profissões em suas formações. Somente a formação em psicoterapia é restrita a psiquiatras e psicólogos, de acordo com os critérios definidos pelo departamento de psicoterapia da seção médica do Goetheanum. Quando exercida por psicólogos, denomina-se também psicologia clínica.

Os outros campos são: o aconselhamento e terapias breves que constituem o trabalho biográfico; a psicologia escolar; a pedagogia terapêutica; a área organizacional e do trabalho, a terapia artística; a musicoterapia; as terapias corporais como euritmia e massagem rítmica.

Anúncios