Site da ABPA

27/05/2013

Caros colegas, o nosso site já está no ar !

Entre em contato conosco na nossa página http://www.abpapsi.com.br e veja a galeria de fotos, biblioteca, lista de associados e noticias sobre Cursos, Jornadas, Congressos, etc…

Mensagem de Natal

15/12/2011

Caros Colegas,

O Natal está chegando e, com ele , a conclusão de um ciclo significativo para todos nós, que foi o nascimento da ABPA em meados deste ano.

Queremos compartilhar com vocês a satisfação de podermos estar realizando juntos as bases para o desenvolvimento da Psicologia Antroposófica.

Conseguimos trabalhar para a oficialização da nossa Associação no Congresso em Belo Horizonte, alavancar o Estatuto , apoiar a vinda do casal Dekkers, organizar fichas para associados, administrar um Blog e fazer um primeiro Encontro de Psicólogos Antroposóficos em 5 Estados.

Ainda estamos dando andamento a muitas tarefas por concluir, como por exemplo a síntese integral dos relatos do Encontro que, de forma geral, já soubemos pelos facilitadores , foi muito harmonioso e produtivo.

Ainda no primeiro semestre de 2012 esperamos contar com um site e a realização de um primeiro Simpósio de Psicoterapia Antroposófica.

Aguardem !

Gostaríamos de desejar a todos um Natal caloroso e um Ano Novo com muitas aspirações , parcerias, criações.

“Perseverança é aprender,                                                                      

aprender é praticar,                                                                                     

praticar é repetir,                                                                                            

repetir é ganhar experiência,                                                                    

experiência é crise,                                                                                           

crise é prova,                                                                                                    

prova é fortalecimento,                                                                       

fortalecimento é liberdade,                                                                                                

liberdade é criar do nada,                                                                                        

criar do nada é transformar,                                                                

transformar é caminho e fim ao mesmo tempo.”                                                                                                              

                                                                                              Rudolf Steiner

21/11/2011

 

CONFERENCIA ANUAL DE LA SECCIÓN MEDICA, UNIVERSIDAD DE CIENCIA ESPIRITUAL   DORNACH   

 

PSIQUIATRIA          PSICOTERAPIA            PSICOSOMATICA

El 18 de septiembre de 2011, los miembros de las organizaciones internacionales y profesionales interesados ​​en la psicoterapia se reunieron en Dornach, Suiza, durante la Conferencia Anual de la Sección Médica. Uno de los temas centrales de la reunión fue poner en marcha los preparativos para la próxima Conferencia Anual en 2012, que estará dedicada a la Psiquiatría, Psicoterapia y Psicosomática. Los participantes de esta reunión se centraron em tres temas básicos, que a continuación explicó:

Primero: Comprensión de la patogenia cambiante de los tiempos modernos, tanto la social -, así como desde la perspectiva del conocimiento del hombre,

a. Debido a la intelectualización precoz  a edades tempranas en las escuelas y jardín de infantes
b. Debido a la fragmentación social
c. Debido al trauma,  agravantes y violencia, tanto física, psicológica y espiritual
d. Debido a un uso generalizado y aceptado en términos generales de la electrónica y medios de comunicación social.
e. Debido a las circunstancias económicas, mostrando una polarización mundial entre ‘los que-t’ y los ‘que no-t’.

Segundo: Enfermedades, y trastornos psicológicos, psicosomáticos  y psiquiátricos

a. Con respecto a la primera infancia, la adolescencia y la adultez
b. En cuanto a las personas mayores
c. Teniendo en cuenta los cambios y cooperación del hombre en su tri y cuatrimembración de las cuatro envolturas y las triples cualidades del alma.  
d. Trastornos en el  Procesamiento del pensamiento, en la capacidad de sentir, en lo que imagina sobre lo que quiere y las distorsiones en la comunicación.

Tercero: Formas de curación y prevención por medio de medicamentos, la psicoterapia, la reconciliación y la educación en lo social, la ejercitación espiritual..

a. ¿Qué se puede emprender en el campo de la prevención en las escuelas en relación con los trastornos de la adolescencia, ya que hay trastornos de la alimentación (anorexia, atracones y las purgas, etc.), depresión, etc.
b. ¿Qué podemos realizar con el fin de regenerar la cooperación entre los cuatro miembros constitutivos del Hombre
c. ¿Que medicamentos y  (psico)terapias demuestran ser la curación, es decir: dónde y cuándo debemos utilizar regular / normal medicamentos?
i. ¿Cómo podemos científica y espiritualmente comprender las consecuencias a largo plazo del uso de medicamentos como ansiolíticos – antidepresivos – anti-psicóticos  y somníferos, así como de medicamentos como Concerta?
ii. Podemos captar como influyen sus efectos en la organización psicológica y espiritual del hombre?

Temas centrales traídos por los psiquiatras infantiles, terapeutas familiares y   psicoterapeutas de la infancia y la adolescencia:

Primero: Los cambios habidos en los fenómenos psicopatológicos en la infancia y la adolescencia desde los últimos 10 años:

a.. Cifra creciente de niños en comorbilidad que cubre toda la gama del espectro de los trastornos del DSM-IV / CIE
b. Nuevos tipos de trastornos no clasificados en niños y adolescentes
c. Elevado número de niños que cubre la gama de TDA / H trastornos, conductas antisociales o de trastornos sociales, de la incompetencia comunicativa de los trastornos generalizados del desarrollo.

Segundo: Consecuencias de los cambios en el contexto socio-cultural de la familia y sus condiciones de vida


o Consecuencias en dos o tres generaciones en familias donde la madre y / o el padre están ausentes por causas laborales, la emancipación femenina, familias patchwork
o Las imprevisibles consecuencias para el cuerpo etérico de los niños  que viven en el seno de esa modalidad familiar (formación del hábito patchwork en su cuerpo etérico)
o la aceleración imprevista de trastornos del contacto, los trastornos de apego y la incompetencia.
o acumulación de número de niños abandonados, tanto en lo emocional,  como en lo pedagógico.
o perturbaciones de gran alcance en los procesos de desarrollo durante los primeros 3 septenios.

Tercero; ¿Cuáles son las posibles consecuencias de la dependencia y el uso en todo el mundo de la electrónica y los medios de comunicación social?

a. Efectos imprevistos de la utilización acelerada de los medios de comunicación  y el contexto de un nuevo estilo de vida dentro de una realidad virtual.
b. Experimentar la vida en el contexto de la comunicación virtual, teniendo en cuenta la acumulación de los trastornos de apego, así como la acumulación de la incompetencia en la construcción de la comunidad.
c. ¿Cuáles serán las consecuencias para el desarrollo del cerebro debido al uso a largo plazo de la electrónica y medios de comunicación social desde temprana edad en adelante,
i. Trastornos imprevisibles  en estos ámbitos 1) Trastorno de lo volitivo orientado hacia el mundo a partir del primer septenio 2) alteraciones en la capacidad humana arquetípica de caminar / hablar / pensar, 3) las competencias de la escuela, 4) alteraciones  como la obesidad, degeneración grasa, etc

Cuarto : Consecuencias del aislamiento social y falta de interés entre las personas


a. Acumulación de la comorbilidad de los trastornos de ansiedad, agresión, paranoia, y depresión-agresión;  los peligros de suicidio.
b. Exclusión de individuos dentro de una comunidad  familiar.

Quinto : Cuáles podrían ser las consecuencias de la imprevista aceleración de los requisitos intelectuales de la primera infancia en adelante:

a. nerviosismo,  trastornos del crecimiento, la ansiedad, conductas antisociales
b. Trastornos de la alimentación (anorexia, los atracones de purga / etc.), depresividad, tendencias suicidas

Temas centrales para  psiquiatras,  terapeutas sistémicos y  psicoterapeutas de  adultos y ancianos:

Sexto : Las consecuencias del materialismo

a. La pérdida de la motivación, la desorientación en los proyectos  y la dirección de la vida, la pérdida de la orientación kármica
b. ¿Cómo pueden las intervenciones psicoterapéuticas despertar y movilizar decisiones preconceptuales  para los objetivos de vida?
c. Una vez más: la pérdida de poder y competencia para construir relaciones duraderas, así como de fuerza para la construcción de comunidades, pérdida del sentido de las relaciones y las redes sociales, la aparente necesidad creada de consumir medicación habitualmente:
 i. De nuevo: ¿Cómo podemos comprender científica y espiritualmente  las consecuencias a largo plazo para el alma y el espíritu humanos del uso de medicamentos como ansiolíticos – antidepresivos – anti-psicóticos – somníferos – ISRS,  benzodiazepinas, medicamentos para tratamiento del estrés y medicación habitualmente recetada como concerta , etc?
d. Trastornos alimentarios

Séptimo : Trastornos psicosomáticos que prevalecen debido a la cultura de la época:

a. El síndrome de dolor crónico.
b. Burn Out y Síndrome de Fatiga Crónica
c. Psicoterapia Psico-oncológica para pacientes cancerosos en los momentos de necesidad  existencial.                                                                                                                                    d. Trastornos relacionados con la degeneración grasa, la obesidad y el síndrome metabólico.

Octavo: Trastornos psiquiátricos prevalentes:

a. Trastornos de Identidad, alteraciones en la formación del “yo”
b. El rápido crecimiento del número de pacientes adultos con autismo
c. Distorsiones en la percepción moral, a menudo relacionadas con la agresión hasta la destructividad extrema.
d. La inestabilidad en la organización psicológica y la organización del yo.
e. Los trastornos de personalidad según el DSM V futuro.
f. dependencias en todos los ámbitos y direcciones de la vida.

Miembros del grupo de preparación para la próxima Conferencia Anual 2012
Primero Dr. med Wolfgang Rissmann, médico especialista en psiquiatría y neurología
Segundo Dr.med Michaela Gloeckler, líder de la sección médica de la Sociedad Antroposófica (Goetheanum, Dornach), médico especialista en pediatría
Tercera Dr. med Michaele Quetz, especialista en medicina psicosomática y psicoterapia.
Cuarto Coordinadores IKAM para psicoterapia, Dr.Fil Dekkers Adrian, psicológo psicoterapeuta, Henriette Dekkers-Appel, psicóloga,  psicoterapeuta.
Grupos de estudio existentes / grupos de trabajo / comités de preparación:
 .Medicina de la psiquiatría (W. Rissmann, B. Von Laue, M. Kohlhase)
 .Investigación en artes y  humanidades. Estudios de enfermedades   psiquiátricas en correspondencia con las lecciones de la Escuela Superior de la ciencia espiritual (B. Krause, W. Rissmann, L. Simon)
. Investigación científico espiritual de los trastornos  psicosomáticos y trastornos psiquiátricos en correspondencia con las lecciones de la escuela superior libre de la ciencia espiritual (L. Simon, H. Merckens, C. Falt)
 .Fundamentos de la ciencia espiritual humana y psicoterapéuticos en diferentes enfermedades y trastornos Patogenéticos y del desarrollo (A. Dekkers, H. Dekkers-Appel)
 .Conferencia psicoterapéutica de la DtGAP (Sociedad Alemana de Psicoterapia) Antroposófica)
 Violación de los derechos humanos y trauma (Psicoterapeutas antroposóficos  en América del Sur)

Henriette Dekkers, IKAM,
Ellen Keller, DtGAP

Caros Colegas,

 Temos o prazer de convidá-los para o nosso primeiro Encontro de Psicólogos Antroposóficos  que será  no sábado dia 19 de novembro de 2011 das 9hs às 13hs.

O tema : “A identidade do psicologo antroposófico, levantamento de necessidades e expectativas sobre a ABPA”.

Vamos elaborar um roteiro e passar por skipe para  todos os demais grupos dos outros estados.
 Assim todos nós poderemos estar juntos, simultaneamente, pensando e elaborando estas questões para chegarmos a uma visão conjunta e integradora.
A síntese de cada grupo pode ser feita por um representante e enviada para a ABPA que se responsabilizará pelo resumo geral, para posterior postagem no Blog ou via email.

O local para este encontro com os colegas de São Paulo é na Rua Simão Álvarez 1004.

É importante ressaltar que este trabalho não terá nenhum custo, apenas a presença de vocês é necessária, independente de serem ou não associados da ABPA.

Contamos com o comparecimento de todos, em todos os estados do país, para este que desejamos seja o primeiro de muitos outros encontros neste caminho de construção conjunta.

Em breve enviaremos nova mensagem com os nomes dos coordenadores dos demais estados com data e local.

Favor confirmar presença até o dia 10 de novembro para podermos nos organizar.

Um abraço a todos.

Queridos colegas

Comunicamos, com alegria, que a Associação Brasileira de Psicólogos Antroposóficos (ABPA) foi juridicamente constituída em 10 de junho de 2011 e teve sua solenidade de fundação em 28 de julho durante o X Congresso Brasileiro de Medicina Antroposófica em Belo Horizonte.

Este momento é o resultado de muitos outros, do esforço e dedicação de muitas pessoas.

Agradecemos especialmente a Gudrum Burkhard, Wili Kenzler e Rudolf Lanz pelo apoio inicial e a muitos outros que se seguiram.

 Por que a ABPA agora?

Os acontecimentos dos últimos anos, descritos nos outros textos deste blog (consulte!), nos levaram a concluir que este é o momento.

Recebemos do último presidente da Associação Diadorim os documentos relativos a ela, para que nossa história possa fluir a partir de suas raízes e da memória preservada.

A ABPA tem por finalidade representar e apoiar os psicólogos envolvidos com a pesquisa e a prática profissional embasadas na Antroposofia em todas as áreas de atuação em que estejam presentes: pedagogia, clínica (psicoterapia), das terapias artísticas, do desenvolvimento humano, do trabalho, hospitalar, etc.

 Seus principais objetivos são:

  • Contribuir para o desenvolvimento da identidade profissional do psicólogo antroposófico.
  • Estabelecer critérios éticos e técnicos para as práticas de psicólogos antroposóficos e para cursos de formação.
  • Fomentar a formação continuada dos profissionais psicólogos, promovendo fóruns, congressos e outras atividades.
  • Promover o diálogo transdisciplinar com outras áreas de atuação profissional.
  • Representar o Brasil no departamento de psicoterapia da seção médica do Goetheanum.
  • Apresentar e representar a Psicologia Antroposófica no meio profissional, acadêmico e institucional (conselhos de psicologia, ministério da saúde, etc).
  • Informar, através de site, aos interessados, o nome dos profissionais associados.

Quem é o psicólogo antroposófico?

Este é um momento pioneiro em nossa organização. Portanto, será aceito durante os próximos dois anos como sócio efetivo da ABPA aquele:

  • Formado nos 5 anos de curso de psicologia.
  • Inscrito no CRP.
  • Com formação básica antroposófica (seminário pedagógico, ecosocial, adigo, ABMA, euritmia, terapia artística, formação biográfica, quirofonética, extra lesson, pedagogia terapêutica, Faculdade Santa Casa, cantoterapia e casos especiais.

As duas primeiras gestões têm a tarefa de estabelecer critérios de formação nas diversas áreas (clínica, organizacional, escolar, etc), reconhecer ou não cursos existentes ou solicitar complementações.

A partir daí, poderão ser atribuídas “especializações” aos membros e a admissão de novos participantes passará, gradativamente, a obedecer a outros critérios.

A ABPA não será responsável por cursos de formação para que seja garantida a liberdade de iniciativas pedagógicas e para que se mantenha a isenção no processo de certificação e reconhecimento dos cursos. No futuro, participantes da diretoria não deverão estar ligados diretamente a cursos de formação.

As eleições ocorrerão a cada 2 anos, realizadas pelo voto direto, secreto e facultativo, com valor igual para todos os associados quites com suas obrigações associativas e obedecerão ao critério de maioria simples, sendo válidas qualquer que seja o número de votantes.

Esperamos que nossa ação seja o reflexo de uma necessidade de todos os psicólogos que trabalham a partir da Antroposofia. Se isto for verdadeiro, esta associação florescerá a partir da alegria de realizar o que precisa ser feito.

Esperamos ainda que ela venha a ser a casa de todos nós. Lançamos as fundações. A construção dependerá do esforço de muitos. E a vida que a habitará vai depender da participação ativa e do sentimento de responsabilidade de cada um dos sócios.

Cordialmente,

Adelina Rennó

Diretora presidente

Enderêço ABPA

20/09/2011

Rua Otávio Tarquínio de Souza 1064

Campo Belo   CEP 04613-003    São Paulo / SP

Fones : (11) 5542-7727    (11) 5531-9891

email : associacao.abpa@gmail.com

Estatuto ABPA

16/08/2011

 

CAPÍTULO I

DENOMINAÇÃO, NATUREZA, FINALIDADE, SEDE, PRAZO DE DURAÇÃO

ARTIGO 1º – A Associação Brasileira de Psicólogos Antroposóficos, doravante denominada “ABPA” fundada em 10 de junho de 2011, com sede na Rua Otavio Tarquínio de Souza, 1064 – Campo Belo – CEP: 04613-003 – São Paulo/SP é uma associação de psicólogos que atuam profissionalmente com o referencial da Antroposofia, CONSTITUÍDA com fins não econômicos e sem cunho político, com prazo de duração indeterminado, que se rege pelo presente estatuto, e nos casos omissos pelas leis vigentes que lhe forem aplicáveis.

ARTIGO 2º – Os objetivos da ABPA são: representar os Psicólogos Antroposóficos e promover a Psicologia de orientação antroposófica, tendo como finalidades principais:

a) Apoiar, representar e promover os psicólogos envolvidos com a pesquisa e a prática da Antroposofia;

b) Criar espaços institucionais para a Psicologia Antroposófica.

c) Contribuir para o desenvolvimento da identidade e visibilidade do psicólogo antroposófico;

d) Estabelecer critérios éticos e técnicos para as práticas e os cursos de formação de psicólogos antroposóficos e zelar pela qualidade dos mesmos;

e) Fomentar a formação continuada dos profissionais psicólogos, promovendo fóruns, congressos, cursos e outras atividades, no Brasil e no exterior;

f) Produzir material científico, didático, de divulgação e etc.

g) Promover a integração dos profissionais psicólogos atuantes e envolvidos nas diversas áreas da Antroposofia: pedagógica, artística, clínica, empresarial, hospitalar, etc.;

h) Promover a comunicação interna e o bom relacionamento entre seus integrantes através de encontros sociais, de trabalho e educacionais;

i) Promover a comunicação externa com outras áreas de atuação profissional.

j) Apresentar e representar a Psicologia Antroposófica no meio profissional e acadêmico;

k) Promover atividades de orientação para leigos;

l) Promover estudos e pesquisas na área de Psicologia de orientação Antroposófica.

CAPITULO II

DOS ASSOCIADOS

ARTIGO 3º – Os Associados estão divididos nas seguintes categorias:

I. FUNDADORES – Todos os que estiveram presentes na data da aprovação do Estatuto original, foram automaticamente considerados Associados Fundadores;

II. EFETIVOS – Psicólogos Antroposóficos, que tiverem sua admissão aprovada pela Diretoria.

III. BENFEITORES – Pessoas, entidades ou empresas, que simpatizam com a“ABPA” e queiram fazer doação para o seu desenvolvimento, ou que prestamserviços de vulto à Associação, quando lhes é concedida esta honraria peladiretoria.

ARTIGO 4º – Poderão ser ASSOCIADOS os psicólogos que:

a) Estiverem em dia com as obrigações junto ao Conselho Regional de Psicologia;

b) Não tiverem nenhum processo ético no Conselho Regional de Psicologia;

c) Comprovarem formação profissional ligada a Antroposofia, compatível com os vários campos de atuação do psicólogo clínico, organizacional, pedagógico, terapias artísticas, etc; e

d) Pagarem a taxa de inscrição

 PARÁGRAFO ÚNICO

A Admissão de associados, cumprindo as exigências deste Estatuto, se fará mediante proposta do interessado, sujeita à aprovação de pelo menos dois membros da Diretoria.

ARTIGO 5º – A Exclusão ou a demissão de associados, por relevante motivo de interesse da associação, observado o disposto no ARTIGO 57 do Código Civil, se dará da seguinte forma:

I. Para os associados das categorias I e II:

a) o associado receberá, previamente, advertência escrita de qualquer membro da diretoria;

b) permanecendo a conduta do associado, sua exclusão se fará em

Assembléia Geral Extraordinária, convocada por qualquer de seus diretores. Estando presentes pelo menos 50% dos associados da categoria I, a aprovação se dará por maioria simples;

c) em segunda chamada, pela maioria de votos dos presentes, se ali presentes pelo menos dois membros da diretoria e no mínimo 1/5 dos associados de uma das categorias I ou II;

d) Notificado, o associado poderá apresentar defesa. Neste caso, a ratificação de sua exclusão se dará pelo voto fundamentado de 2 diretores e 2 associados de qualquer categoria;

II. Para os associados da categoria III, por ato de qualquer um dos diretores.

PARÁGRAFO PRIMEIRO

A exclusão de qualquer associado que desrespeitar o Estatuto Social, infringir o Código de Ética do Psicólogo, normas e regimentos da associação, adotar condutas que possam denegrir o nome da ABPA ou atrapalhar o seu livre funcionamento, constituem faltas graves, e se dará de pleno direito, observadas as formalidades legais, por ato de qualquer um dos diretores.

PARÁGRAFO SEGUNDO

O associado excluído poderá recorrer ao Conselho Deliberativo, cabendo também recurso à assembléia Geral nos termos do ARTIGO 57, parágrafo único do Código Civil Brasileiro.

ARTIGO 6º – Qualquer associado pode solicitar sua exclusão, por escrito e justificadamente, com antecedência mínima de 30 dias, que será aprovada por qualquer dos Diretores após a comprovação da regularidade de suas contribuições.

PARÁGRAFO ÚNICO

No caso de falecimento de qualquer dos associados, a associação não se dissolve, operando-se sua automática exclusão. Neste caso será lavrada Ata que, subscrita por qualquer membro da diretoria, será levada a registro juntamente com a certidão de óbito.

ARTIGO 7º – Qualquer associado poderá ser excluído pela falta de pagamento de mais de uma mensalidade consecutiva, ou pela falta de cumprimento dos deveres e/ouprovidências a que estiver obrigado perante a ABPA, neste caso, por Ato assinado por 2 diretores.

PARÁGRAFO ÚNICO

Os associados excluídos por falta de pagamento só poderão ser readmitidos mediante a regularização das importâncias em atraso. Efetuado o pagamento, sua admissão poderá se dar nos termos do ARTIGO 4º, exceto se outra decisão tomar a Diretoria, por 2 de seus diretores, ou outra exigência estiver estipulada neste estatuto.

ARTIGO 8º – As formalidades e atos referentes à admissão, demissão e exclusão de associados independem de registros individuais. Poderão, no entanto, compor um só ato denominado “Termo de admissão, demissão e exclusão de Associados”, nele consolidando todas as ocorrências anteriores na data de sua lavratura, subscrito por pelo menos 02 (dois) diretores no exercício de suas atribuições. Este termo, a critério da diretoria, poderá ser levado a registro.

CAPÍTULO III

DOS DIREITOS E DEVERES DOS ASSOCIADOS

 ARTIGO 9º – São direitos dos associados, cujas obrigações e/ou contribuições estejam regularmente em dia e no gozo de suas prerrogativas, respeitando as qualificações de cada categoria e os dispositivos deste estatuto:

a) Votar e ser votado nas Assembléias da ABPA

b) Ser informado das decisões tomadas pela Diretoria

c) Participar das atividades da ABPA

d) Candidatar-se aos cargos da Diretoria, desde que admitidos há, no mínimo, um ano antes da data da eleição.

e) Noticiar a diretoria, por escrito, tudo que repute contrário ao Estatuto e interesse da ABPA;

f) Indicar novos associados.

g) Solicitar convocação de Assembléia Geral Extraordinária, apresentando requerimento, assinado por no mínimo 1/5 dos associados, declarando o motivo da convocação,conforme ARTIGO 60 da lei 10.406/02;

ARTIGO 10 – São deveres dos associados

a) Cumprir o presente Estatuto;

b) Contribuir financeiramente com o pagamento de sua contribuição associativa;

c) Participar das assembléias

d) Zelar pelo bom nome e funcionamento da ABPA, prestigiando, acatando, respeitando e participando das iniciativas em atividades sociais;

e) Zelar pela identidade do psicólogo antroposófico

f) Desempenhar com zelo as tarefas e/ou funções/cargos para os quais foram designados e/ou eleitos;

g) Manter conduta pautada por princípios éticos e morais;

h) Manter seus dados cadastrais, em especial, endereço, e-mail e telefone, atualizados, cientes de que qualquer comunicação e/ou convocação se dará por qualquer um destes meios.

CAPITULO IV

DAS PENALIDADES

ARTIGO 11 – A Diretoria aplicará uma das penalidades abaixo indicadas, de acordo com a gravidade da falta cometida, aos associados que deixarem de observar o presente estatuto, ou que venham a se afastar dos princípios e regulamentos da ABPA ou do que determina o Código de Ética do Psicólogo, se for o caso.

a) Advertência por escrito

b) Suspensão, com informação sobre os direitos suspensos

c) Exclusão do quadro social.

PARÁGRAFO ÚNICO

Das penalidades impostas, caberá recurso à Assembléia Geral que se instalará em, no máximo, 30 dias após o oferecimento do recurso, deliberando pela maioria de seus membros em primeira convocação e pela maioria dos presentes em segunda convocação.

CAPITULO V

DAS RENDAS E DO PATRIMONIO

ARTIGO 12 – Constituem receitas da ABPA:

a) Contribuições dos associados na forma deste Estatuto e as espontâneas;

b) Taxas e outras contribuições provenientes de cursos, palestras, simpósios, congressos e demais jornadas e atividades promovidas pela ABPA;

c) Rendimentos provenientes de aplicações financeiras dos recursos excedentes da Associação;

d) Contribuições, doações, subvenções de particulares, entidades públicas ou privadas e demais organizações simpatizantes com o objeto social da ABPA;

e) Contribuições espontâneas, auxílios, legados e demais doações e/ou taxas eventuais.

ARTIGO 13 – O patrimônio será constituído por:

a) Bens móveis e imóveis que adquirir a qualquer título

b) Bens e legados que forem doados;

c) Resultado líquido proveniente de suas atividades estatutárias.

ARTIGO 14 – A receita e patrimônio da ABPA deverão ser utilizados para promoção e execução de seus objetivos.

ARTIGO 15 – Nenhuma parte dos ativos da ABPA poderá ser transferida a qualquer dos seus associados para seu benefício próprio.

ARTIGO 16 – Toda e qualquer receita que venha a ser auferida pela ABPA, bem como o resultado positivo que vier a ser obtido em determinado exercício, será destinado, integralmente, à manutenção de seus objetivos sociais.

CAPÍTULO VI

ÓRGÃOS DELIBERATIVOS E DE ADMINISTRAÇÃO

ARTIGO 17 – São órgãos diretivos da ABPA: a Diretoria, o Conselho Fiscal e a Assembléia Geral.

PARÁGRAFO PRIMEIRO

A Diretoria e o Conselho Fiscal, eleitos pela maioria dos associados com direito a voto, em Assembléia Geral, terão mandato de 2 anos, sendo permitida uma reeleição. O voto será direto, secreto e facultativo, com valor igual para todos os associados quites com suas obrigações associativas e obedecerão ao critério de maioria simples, sendo válidas qualquer que seja o número de votantes.

PARÁGRAFO SEGUNDO

Enquanto não realizada nova votação, e lavrada Ata de Eleição de novos membros da Diretoria e Conselho Fiscal, a Associação continuará com a administração da Diretoria e Conselho Fiscal eleitos na última assembléia realizada.

ARTIGO 18 – A Administração da ABPA se dará por uma DIRETORIA que será composta por 05 (cinco) membros, sendo: um Presidente, um vice-presidente, dois Secretários (as), e um Tesoureiro (a) com as seguintes atribuições:

a) Administrar e definir as diretrizes básicas da ABPA

b) Organizar e promover eventos, tais como: reuniões regulares, cursos de atualização, jornada, encontros, seminários, simpósios, conferências, congressos, disponibilizar publicações especializadas e atividades afins;

c) Deliberar sobre assuntos de interesse que lhe forem encaminhados por seus membros;

d) Deliberar sobre as propostas para ASSOCIADOS e demais temas que dependam de sua deliberação, nos termos deste Estatuto;

e) Encaminhar prestação de contas anual à Assembléia Geral dos ASSOCIADOS;

f) Promover, quando for o caso, a reforma deste Estatuto.

PARÁGRAFO PRIMEIRO

Nenhum cargo de Diretor será remunerado.

PARÁGRAFO SEGUNDO

A Associação se obriga com a assinatura de dois membros da diretoria, quando o Ato não for praticado pelo seu presidente, que detém poderes para assinar isoladamente, podendo dar procuração para representação em juízo ou fora dele, devendo constar dos mandatos o fim específico.

PARÁGRAFO TERCEIRO

A Associação poderá contratar auditoria externa, quando considerar necessária, por deliberação de 3 (três) membros da Diretoria, ou pela maioria dos membros do conselho fiscal juntamente com no mínimo 2 (dois) diretores

ARTIGO 19 – A Diretoria fará reuniões gerais, em horário e local estipulado, em caráter ordinário ou extraordinário, reduzindo a termo suas decisões, por votação majoritária, presentes, a maioria de seus membros, com assinatura obrigatória de todos os presentes.

CAPÍTULO VII

DAS ATRIBUIÇÕES DA DIRETORIA, CONSELHO FISCAL E ASSEMBLÉIA GERAL

ARTIGO 20 –São atribuições da diretoria, respectivamente a cada cargo:

I – Presidente:

a) Administrar com todos os poderes de representação, com a assinatura isolada, para qualquer ato de gestão, podendo outorgar procuração em juízo ou fora dele;

b) Autorizar despesas;

c) Designar comissões, membros ou cargos não eletivos para trabalhos;

d) Admitir ou dispensar funcionários;

e) Ter direito de voto de qualidade em casos de empate;

f) Presidir as reuniões de Diretoria

g) Convocar assembléias ordinárias e extraordinárias

II – Vice-Presidente

a) Substituir o Presidente da ABPA em suas ausências e impedimentos, sucedendo-o em caso de vacância do cargo e auxiliá-lo na administração.

III – Secretários

a) Coordenar as relações da ABPA com as demais instituições congêneres no Estado de São Paulo ou fora dele;

b) Responder pelo expediente da ABPA, inclusive com envio das comunicações e correspondências pertinentes às atividades da Associação;

c) Dirigir os serviços de secretaria, bem como exercer outras atividades peculiares ao cargo;

d) Executar e fazer executar as diretrizes emanadas do Presidente;

e) Secretariar as reuniões da Diretoria e da Assembléia e redigir as Atas, relatório e demais termos e documentos

IV – Tesoureiro

a) Administrar a situação financeira da ABPA

b) Cobrar e receber as anuidades, taxas e demais contribuições;

c) Pagar as despesas da ABPA;

d) Elaborar orçamento anual

e) Apresentar balancete anual à Diretoria e Conselho Fiscal.

ARTIGO 21 – O CONSELHO FISCAL, com mandato de 02(dois) anos, eleitos juntamente com a Diretoria, será composto por 03 (três) membros, tendo as seguintes atribuições:

a) Aprovar, juntamente com a Diretoria o orçamento anual;

b) Emitir parecer sobre contas da Diretoria a ser submetida à Assembléia Geral;

c) Fiscalização de todos os atos financeiros;

d) Fiscalização de atos que possam comprometer o objetivo social da ABPA.

ARTIGO 22 – A ASSEMBLÉIA GERAL é constituída pelos associados da ABPA, e reunir-se-á ORDINARIAMENTE a cada 2 (dois) anos, ou EXTRAORDINARIAMENTE a qualquer tempo, e sua convocação, por qualquer membro da diretoria, garantindo a um quinto (1/5) dos associados o direito de promovê-la, poderá ser por uma das seguintes formas: correspondência; edital afixado na sede da Associação, fax ou email, com antecedência de 15 (quinze) dias, constando a ordem do dia, hora e local onde será realizada.

PARÁGRAFO PRIMEIRO

Todos os associados declaram conhecer a sistemática de convocação e se comprometem a informar seu endereço, sendo de sua exclusiva responsabilida de manter seus dados cadastrais atualizados na associação, fazendo-o sempre por escrito.

PARÁGRAFO SEGUNDO

A Assembléia Geral deliberará por votação majoritária presente a maioria dos seus associados com direito a voto.

PARÁGRAFO TERCEIRO

São atribuições da Assembléia Geral:

a) Eleger e destituir a Diretoria e o Conselho Fiscal da ABPA

b) Deliberar sobre aprovação de contas e demais relatórios contábil e financeiro.

c) Deliberar sobre Alteração do Estatuto Social;

d) Debater assuntos de interesse diversos constantes da pauta;

e) Fixar as contribuições de associados, quando for o caso.

PARÁGRAFO QUARTO

A Assembléia Geral extraordinária será convocada pelo Presidente ou por requerimento de no mínimo 1/5 dos ASSOCIADOS com direito a voto.

CAPITULO VIII

QUALIFICAÇÃO COMPLETA DA DIRETORIA E DO CONSELHO FISCAL ELEITA NA FUNDAÇÃO DA ABPA

DIRETORIA

PRESIDENTE : MARIA ADELINA BASTOS RENNÓ

VICE-PRESIDENTE : SANDRA DE SOUZA LOBO STIRBULOV

SECRETÁRIAS

PRIMEIRA SECRETÁRIA: ELIANE  UTESCHER

SEGUNDA SECRETÁRIA: PATRÍCIA BOTELHO DE MORAES

TESOUREIRA: GLAUCIA CASTRO RODOVALHO

MEMBROS DO CONSELHO FISCAL

NEY LUIZ PICADO ALVARES

MARIA INÊS DO AMARAL ALVARES

MARIA REGINA FERREIRA DA SILVA

CAPÍTULO IX

DA LIQUIDAÇÃO

ARTIGO 23 – A Associação poderá ser extinta por deliberação de 2/3 dos associados presentes, com direito a voto, não podendo ela deliberar, em primeira votação, sem a maioria absoluta dos associados, ou com menos de 1/3 nas convocações seguintes, em qualquer tempo, desde que seja convocada uma Assembléia Geral Extraordinária para este fim.

ARTIGO 24 – A ABPA também poderá ser extinta por determinação legal.

ARTIGO 25 – No caso de extinção, competirá à Assembléia Geral Extraordinária estabelecer o modo de liquidação e nomear o liquidante e o Conselho Fiscal que devam funcionar durante o período da liquidação.

ARTIGO 26 – No caso de extinção, o patrimônio será destinado a uma instituição congênere indicada pelo Conselho Fiscal e aprovada na Assembléia Geral Extraordinária.

CAPÍTULO X

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

ARTIGO 27 – Na sede da Associação não serão permitidas discussões de caráter político ou religioso, bem como a prática de jogo de azar.

PARÁGRAFO ÚNICO

Não haverá discriminação, de qualquer tipo, nos termos da Constituição Federal do Brasil, a exemplo de credo, raça, religião na admissão dos associados.

ARTIGO 28 – Dada a natureza do ABPA, de fins não econômicos, não serão distribuídos lucros, bonificações ou vantagens aos integrantes dos órgãos diretivos mantenedores ou associados, sob qualquer forma ou pretexto.

ARTIGO 29 – A Diretoria acatará sempre qualquer querela, desde que feita por escrito e em linguagem conveniente.

ARTIGO 30 – Os ASSOCIADOS, não pertencentes à Diretoria, não respondem sequer subsidiariamente por qualquer obrigação assumida expressa ou implicitamente pela ABPA.

ARTIGO 31 – O titulo de associado não significa qualquer vantagem ou beneficio assistencial, médico ou social que a instituição possa prestar.

ARTIGO 32 – Este Estatuto entrará em vigor na data de sua aprovação em assembléia.

ARTIGO 33 – Os casos omissos serão resolvidos de comum acordo pela Diretoria, com a maioria de seus membros.

ARTIGO 34 – Fica eleito o foro Central da Comarca da Capital do Estado de São Paulo como único competente para dirimir as dúvidas do presente instrumento, renunciando expressamente a qualquer outro, por mais privilegiado que seja.

ARTIGO 35 – Os associados declaram, sob as penas da lei, que não estão impedidos de exercer a administração ou qualquer cargo/função na associação, por lei especial, ou em virtude de condenação criminal, ou por se encontrarem sob os efeitos dela, à pena que vede, ainda que temporariamente, o acesso a cargos públicos; ou por crime falimentar, de prevaricação, peita ou suborno, concussão, peculato, ou contra a economia popular, contra o sistema financeiro nacional, contra normas de defesa da concorrência, contra as relações de consumo, fé pública, ou a propriedade.

 São Paulo, 10 de junho de 2011.

www.fcmscsp.edu.br

Site do Curso de Pós Graduação em Psicologia Clinica e Antroposofia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

 

A psicoterapia antroposófica foi desenvolvida após a morte de Rudolf Steiner, desde a década de trinta, por grupos independentes de psiquiatras e psicólogos em diversos países, como Holanda (através do forte impulso de B. Lievegoed), Alemanha, Inglaterra, Estados Unidos e Brasil, entre outros.

A Holanda e a Alemanha contam com departamentos de psiquiatria e psicoterapia em hospitais gerais, além de clínicas psiquiátricas antroposóficas. Na Itália, os cursos profissionais são reconhecidos com finalidade de credenciamento na área de psicoterapia. Em março de 2009 o diploma do curso de aconselhamento biográfico foi reconhecido para credenciamento na Associação Britânica de Psicoterapia e Aconselhamento.

O departamento de psicoterapia da seção médica do Goetheanum fornece os parâmetros e diretrizes para essas formações. Atualmente é dirigido por Adrianus e Henriette Dekkers, psicólogos, coordenadores há mais de 30 anos da formação na Holanda e, mais recentemente, na Itália. Na Alemanha existe um curso há mais de 20 anos. Como na última década o interesse aumentou muito, havendo demanda por formações em Israel, na Rússia, na Argentina, no Chile (entre outros), formou-se um comitê internacional, do qual o Brasil faz parte, para organizar um currículo mínimo e outras questões, de modo a garantir a qualidade técnica e ética dessas iniciativas, preservando ao mesmo tempo as características e necessidades de cada país.

 

A psicologia baseada na Antroposofia, por decorrência de seus pressupostos, visa promover o desenvolvimento de uma consciência ética individualizada, dentro do princípio da liberdade. Não trabalha, portanto, com hipnose, regressão ou técnicas que induzam a estados alterados de consciência. Da mesma forma o profissional, se bem formado, não deveria fazer proselitismo filosófico em seu trabalho mas, pelo contrário, exercitar o método fenomenológico que, dentro do possível, visa ‘suspender’ suas referências pessoais (ou tê-las conscientes), para atuar profissionalmente. Evitam-se asserções categóricas e treina-se o profissional na arte de fazer perguntas abertas.

Adota o axioma de Steiner (Berron,1984) que postula que o corpo deve ser objeto da higiene; à alma se aplica a educação; a individualidade deve ter o espaço da liberdade.

Embora haja diversas maneiras de exercer a psicoterapia e um consenso internacional esteja aos poucos se estabelecendo, podemos dizer que se trata de uma abordagem terapêutica cujo cerne é a relação terapeuta-paciente. Como vai se dar esse encontro, depende da idade e do diagnóstico do cliente. O diagnóstico antroposófico é uma “leitura” que inclui, dialoga e faz uma “tradução” do conhecimento moderno. No caso das psicopatologias, usamos o DSM IV R e o CID 10 como referência de linguagem.

Em caso de adulto, a terapia é eminentemente dialógica (Berron,1984; Treichler, 1987), podendo abarcar trabalhos não verbais, conforme a formação complementar do terapeuta. A “porta de entrada” é, portanto, o Eu enquanto centro da consciência e a organização anímica, sede dos afetos ou emoções. A atitude do terapeuta será mais diretiva e didática em casos de maior comprometimento psicopatológico e a atuação será conjunta com médico, massagista, etc. Um trabalho, portanto, focado nos aspectos constitucionais do paciente. Quando o caso é uma crise de desenvolvimento que resulta em transtornos de menor gravidade, o trabalho sobre a história de vida, de uma forma menos diretiva, pode ser a principal abordagem, caminhando das sensações/emoções, através da compreensão e construção de significados em direção ao sentido da doença ou crise.

Busca-se alinhar desejos e aspirações através dos motivos conscientes, visando maior liberdade de decisões; caminhar, se possível, do corpo ou alma da sensação, para a alma da consciência. Dependendo, portanto, do diagnóstico e conseqüentes objetivos terapêuticos o psicólogo antroposófico pode adotar posturas mais ou menos diretivas, similares, em certos casos, às de uma linha cognitivo-comportamental ou, em outros, à existencial humanista. As técnicas terapêuticas utilizadas são comuns ao acervo de muitas linhas psicológicas como imaginação ativa, dramatização, etc.(von der Heide, 1984; Dekkers, 2001; Lievegoed, 1999, Treichler,1988)

Em se tratando de crianças é fundamental a vivência dos ciclos da natureza. O brincar se torna o grande meio de comunicação, em diferentes níveis como corporal, estruturado, expressivo e imaginativo. O aconselhamento das pessoas envolvidas com a criança como família, escola, etc. são parte necessária do processo.